Publicado em Cotidiano, Química na cozinha

Biomassa: tudo o que você precisa saber!

Olá pessoal, tudo bem?

Vocês já ouviram falar sobre os benefícios de consumir banana verde ou sobre a biomassa? Bom, na verdade o termo biomassa significa a quantidade de matéria orgânica produzida em uma determinada área, e pode ser usada para diversos fins, como para produção de combustíveis, por exemplo. Mas calma, nós vamos focar na área alimentar hoje 🙂

Imagem 1.jpg
Fonte: Pinterest

O astro disso tudo, é o AMIDO RESISTENTE, ele é o componente principal da biomassa (que é aquele creme feito da banana verde cozida, sabe?) ou na farinha de banana verde (que voc”e também pode fazer em casa, basta assar as rodelas de banana em fogo bem baixinho, deixar esfriar e depois bater até virar um pozinho). Mas saiba que a porcentagem de amido resistente na farinha é muito maior do que na biomassa, enquanto a biomassa apresenta cerca de 8%, a farinha esbanja 67%. Porque o processo de preparo influência na quantidade final desse composto. Então fique esperto!

Imagem 2
Fonte: altoastral.com

Imagem 2B
Fonte: Pinterest

Os amidos resistentes nada mais são do que a combinação do amido e seus produtos de degradação que não são absorvidos no intestino delgado, ele é fermentado no intestino grosso, o que gera ácidos graxos de cadeia curta que são importantes para o bem-estar de alguns órgãos. Esse tipo de amido resiste às enzimas digestivas, e por isso não é absorvido no intestino.

Imagem 3.jpg
Fonte: biosom.com

Além disso, ele pode se comportar como as fibras, e por isso compartilha alguns benefícios, como: baixo valor calórico, capacidade de reduzir o teor glicêmico e ainda aumentar o teor de fibras alimentares por se comportar como uma.

Existem 3 tipos desse amido, são eles:

Tipo 1: Amido fisicamente preso dentro da matriz do alimento. É resistente simplesmente porque as enzimas aminolíticas não tem acesso a ele. Esse tipo de amido é afetado pela mastigação e pelo processamento dos alimentos, como a trituração e moagem.

Tipo 2: Amido granular nativo. Sua resistência é dada por sua compactação e estrutura parcialmente cristalina, que pode ser alterada pela gelatinização.

Tipo 3: Resistência adquirida com a retrodegradação, principalmente a amilose. Esse amido pode ser formado através de processos que utilizam alto teor de umidade, cozimento e/ou autoclavagem.

Imagem 4
Fonte: Pinterest

Falamos muito da banana, mas o amido resistente pode ser encontrado em outras fontes:

  1. Aveia (basta deixar a aveia pronta, esfriar por várias horas);
  2. Arroz, macarrão e batata (sempre deixar resfriar);
  3. Grãos integrais;
  4. Leguminosas e feijão (cozidos);
  5. Fécula de batata (usar sem aquecer).

Imagem 5.jpg
Fonte: Pinterest

Prontinho, agora é só se jogar nessas delícias, tem mais uma vantagem, por ter amido, a biomassa pode ser adicionada às preparações para dar corpo e não tem sabor residual, então não vai influenciar no sabor final do prato.

Imagem 6
Fonte: Pinterest

Espero que tenham gostado!

Beijos, até a próxima!

Anúncios

Autor:

Ola, sou Marcella, tenho 25 anos, formada em química pela UFSCar e em técnica de alimentos pela Etec Rubens de Farias. Adoro fotografia, viagens, leitura, inovação, tecnologia, e acima disso tudo, Química, seja na cozinha, no cabelo, em produtos, enfim, a química está em tudo! A fé em Deus é o sentimento mais bonito que existe em mim e espero que o conteúdo do blog possa somar em sua vida ;) Obrigada por sua visita, volte sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s